quarta-feira, 29 de março de 2017

JACK KOCH - Être mis sur écoute...

MERCI: http://dangerecole.blogspot.pt/

Ministres de l'Éducation sur les bancs de l'école...

«L'enseignement du portugais en France : une préoccupation quotidienne.
Rencontre entre Najat Vallaud-Belkacem, Ministre de l'Education Nationale française, et Tiago Brandão Rodrigues, son homologue portugais en deux temps : la signature d'un accord de coopération éducative et la visite d'une classe de CM2 qui suit des cours de portugais dits "EILE" (Enseignement International de Langue Étrangère).»





 MERCI: http://capmagellan.com/

terça-feira, 28 de março de 2017

terça-feira, 21 de março de 2017

Journée mondiale de la poésie

©Shutterstock

«La poésie est une fenêtre sur l’époustouflante diversité de l’humanité.»
Irina Bokova 
MERCI: http://www.unesco.org/new/fr/unesco/events/prizes-and-celebrations/celebrations/international-days/world-poetry-day-2017/

quinta-feira, 16 de março de 2017

RTP NOTÍCIAS - Alunos de uma escola Secundária em Agualva em protesto

Alunos de uma escola Secundária em Agualva em protesto

RTP
16 Mar, 2017, 13:57 / atualizado em 16 Mar, 2017

Os alunos de uma Secundária em Agualva, no Cacém, manifestaram-se esta quinta-feira à porta da escola. Pedem obras com urgência e prometem não cruzar os braços enquanto isso não acontecer.





terça-feira, 14 de março de 2017

MARA GOYET - En fait, en cours, tout le monde se gratte

En fait, en cours, tout le monde se gratte


« Elle m’interroge jamais, pourtant je lève le doigt, elle interroge les autres mais jamais moi, elle ne m’aime pas. » Combien de fois un professeur doit-il répondre à cette accusation ? D’expliquer que c’est sans doute un hasard, un malentendu, une question de disposition dans la classe. De décrire ce que l’on voit, debout en face de trente personnes, de dire que l’on ne « scanne pas la classe », que le regard est perturbé par tout un tas de choses. Rien n’y fait. Les profs n’interrogent pas certains élèves. De manière délibérée.
Hier, j’ai décidé de prendre le problème à bras-le-corps et j’ai invité cette élève de 6e à suivre le cours à côté de moi, à mon bureau, sur l’estrade et d’observer la classe pendant vingt minutes. Assez vite, la classe s’est habituée à sa présence.
A la fin de l’heure, on a pris cinq minutes pour le récit de ce qu’elle avait pu observer. De toute évidence, elle était assez secouée. Et stupéfaite. Elle a divisé la classe en trois : ceux qui ne semblent pas écouter, ceux qui écoutent et ceux pour qui on ne sait pas trop (merde, j’avais une vision plus glorieuse de la situation). Elle a remarqué que nombre d’élèves regardaient souvent par la fenêtre (quête de l’air libre !), que l’un soulevait sa table, un autre faisait tomber son stylo et le ramassait, un se balançait et se ravisait,  un mangeait sa règle (quand l’élève devient un indic de haut vol). Elle a terminé par une description vibrante d’une forme de grattage généralisé :  » y en a une qui se grattait le nez, un qui se grattait l’oreille, lui c’était la joue, et elle l’épaule, en fait en cours, tout le monde se gratte. » Un élève a fait la comparaison avec un documentaire animalier. J’ai laissé dire.
Je lui ai demandé si cela changeait son point de vue sur les enseignants et leur manière de donner la parole. Elle a convenu que le spectacle était impressionnant, les raisons d’intervenir nombreuses et le paysage plus brouillé qu’elle ne l’aurait cru. Comme on pouvait s’y attendre, tous les élèves voulaient faire la même chose, être à sa place au prochain cours. Certains voulaient qu’on se filme (non,  j’aime bien l’observation en direct, subjective). Je n’ai pas refusé. Après tout, c’est intéressant pour eux, de « se voir », c’est instructif. Et ça peut leur permettre de saisir les choses différemment. A moi aussi, d’ailleurs, je n’avais pas du tout conscience d’avoir une pédagogie aussi urticante…

segunda-feira, 13 de março de 2017

Intermarché / l'amour, l'amour...

«Nous sommes producteurs et commerçants pour vous aider à manger un peu mieux tous les jours.»



Trois minutes exactement. C'est la durée du nouveau spot de pub conçu par l'agence Romance, filiale de DDB (Omnicom), pour l'enseigne Intermarché.

Trois minutes pour ce qui ressemble beaucoup plus à une vidéo, voire un quasi-court-métrage, idéalement visible sur mobile plutôt qu'un simple spot de pub.  (...)

Sans parole (sinon la chanson « L'Amour, l'amour, l'amour » de Mouloudji en bande-son), le film met en scène l'idylle naissante entre un jeune homme nanti de détestables « routines » alimentaires (pizza, burgers...) et une charmante hôtesse de caisse. Chaque jour, il revient, simplement pour la voir, et repérant l'offre de salades, jus, fruits, céréales, boucherie, poissonnerie... sur les rayons de l'Intermarché, il apprend petit à petit à mieux se nourrir.

Aucun exercice de publicité comparative, ni d'allusion lourdaude aux prix. L'ensemble aurait pu verser dans la « mièvrerie ». Mais grâce au talent de la réalisatrice de courts-métrages Katia Lewkowicz, et à la fraîcheur des comédiens, le spot de Romance (responsable également des budgets Audi, Audi Sport, Mondelez, Aviva, Betclic...), emporte le morceau avec sa spontanéité à la Truffaut.

Surtout, à l'arrivée, la campagne Intermarché, troisième distributeur en France derrière Carrefour et Leclerc , avec une part de marché s'établissant à 14,5 %, représente une forme de première pour le secteur. Jusqu'à présent, aucune enseigne ne s'était risquée à communiquer sur une durée aussi longue, pas plus qu'à s'essayer à la pure fiction et à un registre très émotionnel, dont elles laissaient l'exclusivité aux grandes marques de luxe.

MERCI: https://www.lesechos.fr/tech-medias/medias/0211873173204-publicite-intermarche-innove-en-realisant-un-court-metrage-2071593.php


domingo, 12 de março de 2017

Collégiens à Banon : silence, on lit !


"Silence on lit"
Tous les jours les élèves du petit collège de Banon lisent pendant 15 minutes après la pause déjeuner.
Un rendez vous instauré par la principale du collège, inspirée par l'exemple d'un lycée turc, pour redonner aux élèves le goût à la lecture... et ça marche !

Le reportage de Véronique Bouvier et Léo Centofanti, interviewés : Léa, Lucas, passionnés de lecture, Tim Van-de-Velde, professeur d'anglais, Gabby Banteaux, secrétaire de direction, Marianna Lew, principale du collège de Banon :



MERCI: http://france3-regions.francetvinfo.fr/provence-alpes-cote-d-azur/alpes-de-haute-provence/digne-les-bains/collegiens-banon-silence-on-lit-1205439.html

GOSHIA ZIMNIAK - Les avantages de la lecture


MERCI. http://gosiazimniak.pl/

quarta-feira, 8 de março de 2017

«8 francesas que mudaram a História»

8 francesas que mudaram a História 

    «No Dia Internacional dos Direitos da Mulher, a França reforça seu compromisso com a igualdade de gêneros e relembra também os pioneiros e incríveis feitos de nossas compatriotas para tornar o mundo um lugar mais justo!

1. Olympe de Gouges: escritora, ativista, abolicionista e feminista

      (7 de Maio de 1748 - 3 de Novembro de 1793)

Olympe de Gouges exerceu papel protagonista nos agitados anos da Revolução Francesa, tecendo inclusive fortíssimas críticas ao movimento, por este não buscar também espaço e igualdade às mulheres. Em 1791, escreveu a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã - que desafiava o autoritarismo machista de época e a desigualdade entre homens e mulheres. Uma resposta clara e direta à Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, documento chave para o desenvolvimento dos Direitos Humanos no Mundo.

Porque essa mulher entrou pra História: por se levantar contra a injustiça e ser considerada uma "traidora", Olympe foi executada em 1793, quando a Revolução passou pela conhecida Era do Terror. Apesar de não ter sido aprovada, a sua Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã é vista como um dos primeiros manifestos feministas da História, servindo de base para a luta de direitos humanos realmente universais.
Foto: BIBLIOTHÈQUE NATIONALE DE FRANCE

2. Marie-José Pérec: atleta e dirigente esportiva

Marie-José Pérec é um dos maiores nomes do atletismo mundial e uma lenda viva do esporte francês. Nascida em Guadeloupe, a corredora é a única atleta francesa tricampeã olímpica após conquistar ouro nos 400m rasos em Barcelona 1992 e nos 200m e 400m em Atlanta 1996. Hoje, dedica-se ao desenvolvimento de sua modalidade, para incentivar mais pessoas - sobretudo garotas - à prática da atividade física.
Foto: France Olympique
Porque essa mulher entrou pra História: atualmente, é a única esportista (entre homens e mulheres) a conquistar o ponto mais alto do pódio nos 400m em dois Jogos Olímpicos consecutivos e possui o terceiro melhor tempo desta prova.

3. Marie Curie: cientista

(7 de novembro de 1867 - 4 de julho de 1934)
As conquistas científicas de Marie Curie incluem a Teoria da Radioatividade (termo que ela mesma cunhou), técnicas para isolar isótopos radioativos e a descoberta de dois elementos: o polônio e o rádio. Sob a direção dela foram conduzidos os primeiros estudos sobre o tratamento de neoplasmas com o uso de isótopos radioativos - cruciais para o desenvolvimento da área. A cientista fundou os Institutos Curie em Paris e Varsóvia (Polônia), que até hoje são grandes centros de pesquisa médica. Durante a Primeira Guerra Mundial, fundou os primeiros centros militares no campo da radioatividade.


Porque essa mulher entrou pra História: Marie Curie foi a primeira mulher a ser laureada com um Prêmio Nobel e a primeira e única mulher a ganhar o prêmio duas vezes - e em dois domínios diferentes (física e química). A cientista também foi a primeira mulher a ser admitida como professora na Universidade de Paris. Em 1995, se tornou a primeira mulher a ser enterrada por méritos próprios no Panthéon de Paris - onde repousam as mais importantes personalidades históricas da França.

4. Simone de Beauvoir: escritora, filósofa e feminista

(9 de janeiro de 1908 - 14 de abril de 1986)
Pela sua obra prima, O Segundo Sexo, e também por seu relacionamento duradouro e aberto com o também filósofo Jean Paul Sartre, a pensadora Simone de Beauvoir foi considerada "fora dos padrões convencionais" para a sua época. Nos anos 1920, mesmo a academia ainda era reclusa e conservadora para ideias feministas e mais progressistas.

Porque essa mulher entrou pra História: O Segundo Sexo, de 1949, se tornou um marco dentro do movimento feminista por abordar um assunto que não era abertamente tratado na França. O livro realiza uma complexa análise sobre o papel que é designado à mulher dentro da sociedade e sobre a construção do que é ser mulher, fazendo distinção entre gênero e sexo. A abordagem de Beauvoir estuda a hierarquia social do gênero masculino sobre o feminino: “A humanidade é masculina e o homem define a mulher não em si, mas relativamente a ele: ela não é considerada um ser autônomo”. Esse estudo foi o pontapé de diversas vertentes feministas que se debruçaram em buscar formas de resolver os problemas da desigualdade de gênero.

5. Simone Veil: política

Sobrevivente dos campos de concentração do Holocausto, Simone Veil foi a Ministra da Saúde que aprovou, em 1974, um projeto de lei que descriminalizou a interrupção voluntária da gravidez na França. Foi também a primeira mulher a presidir o Parlamento Europeu (1979-1982) e uma das primeiras mulheres a tornar-se membro do Conselho Constitucional da França, a mais alta instância do Poder Judiciário no país.
Foto: ActuaLitté @ Flickr
Porque essa mulher entrou para a História: a Lei Veil ganhou seu nome e possibilitou um significativo avanço sobre a legislação sobre o aborto na França e no mundo - resultado de um movimento conduzido globalmente pelas feministas, baseando-se em vários argumentos: de que a ideia sobre o direito ao aborto relevava à mulher pelo direito a dispor do seu corpo; do fato que os procedimentos clandestinos se davam em condições sanitárias preocupantes e da ideia de que o acesso à contracepção seria insuficiente, pois não há nenhum método contraceptivo 100% infalível.

6. Coco Channel: estilista

(19 de agosto de 1883 - 10 de janeiro de 1971)
Sem necessidades de maiores explicações, a dona de uma das maiores marcas do universo viu suas roupas vestirem as grandes atrizes de Hollywood e seu estilo moda em todo o mundo. Os seus tailleurs são referência até hoje. Além de confecções, em 1921, a mestre cria o perfume que iria convertê-la numa grande celebridade, o Chanel Nº 5. O nome se deve ao fato de ter sido a quinta fragrância apresentada a ela, para que escolhesse, e porque o 5 era o seu algarismo da sorte.

Porque essa mulher entrou pra História: uma francesa moderna, vanguardista e cheia de personalidade. Muito a frente de seu tempo. A estilista desenhava roupas bem diferentes para as mulheres da sua época - e foi alvo de duras críticas de movimentos mais conservadores ao sugerir que as mulheres também podiam usar calças femininas, vestidos simples e o famoso “pretinho básico”. A criação de Coco revolucionou padrões e, acima de tudo, deu oportunidade para as mulheres se tornarem mais livres e independentes, começando pela forma de se vestir.

7. Edith Piaf

(19 de dezembro de 1915 - 10 de outubro de 1963)
Essa a gente deixa se apresentar pela voz.


Edith Piaf - La vie en rose (Officiel) [Live Version] par Edith Piaf
Porque essa mulher entrou pra História: uma das vozes mais conhecidas do mundo, Edith Piaf emocionou corações por toda a Terra e influenciou grande parte dos artistas de sua época. Tornou-se, principalmente, uma ponte para que estes se conhecessem, pois, geralmente, seu círculo de amizades famosas se encontrava em sua casa. Foi em sua residência que grandes nomes da música francesa tiveram o primeiro contato e em diversas vezes iniciaram maravilhosas parcerias musicais como, por exemplo, Gilbert Bécaud, Charles Aznavour, Jean Broussolle, Francis Lemarque, entre tantos outros, hoje também consagrados na história fonográfica da França e do mundo.
O filme que conta sua vida "La vie en rose", de 2007, rendeu um Oscar de Melhor Maquiagem e deu à francesa Marion Cotillard o Oscar de Melhor Atriz - primeiro prêmio da Academia dado a um papel interpretado em francês. A atriz também foi agraciada com outras importantes premiações, como o Globo de Ouro, o BAFTA e o César.

8. Suzanne Borel: diplomata

18 octobre 1904 -8 novembre 1995
Foto: France Diplomatie
Em 1928, quando o Ministério das Relações Exteriores da França (MAEDI, na sigla em francês) permitiu que mulheres também poderiam prestar concurso para uma carreira diplomática, Suzanne Borel decidiu seguir a profissão de seus sonhos. Após duas tentativas sem êxito, a candidata teve sucesso em 1930 - tornando-se a primeira francesa a fazer parte da rede de diplomacia do país, uma das mais importantes de todo o mundo.

O teste de Suzanne para o MAEDI / Foto: France Diplomatie
Como uma verdadeira guerreira, Suzanne enfrentou o preconceito dos funcionários do MAEDI - que restringiram suas ações dentro dos serviços e até chegaram a pedir o cancelamento do decreto que a indicou para seu cargo. A diplomata permaneceu e exerceu diversas funções no Ministério, até a Segunda Guerra Mundial, quando se tornou membro de diversos grupos da Resistência Francesa contra a ocupação alemã.
Porque essa mulher entrou pra História: Suzanne Borel abriu as portas do Ministério para a paridade entre os gêneros na diplomacia francesa - hoje, a segunda maior rede de embaixadas e consulados do mundo. Atualmente, 52% do efetivo de diplomatas do MAEDI é composto de mulheres. São quase 3.000 colaboradoras e funcionárias. As francesas chegam também aos cargos mais altos! Dos 180 embaixadores da França em países ou organizações internacionais, 40 são mulheres. Merci Suzanne!»

MERCI:http://saopaulo.ambafrance-br.org/8-francesas-que-mudaram-a-Historia